Grupos de Proteção e Abrigos de Animais

Os grupos voluntários de Proteção Animal e os abrigos de animais, na sua grande maioria, sobrevivem apenas de doações de pessoas físicas. Seus voluntários trabalham, gratuita e incessantemente, tentando minimizar o sofrimento dos animais abandonados e maltratados.

Apenas na Capital do Rio de Janeiro são 200 abandonos registrados por dia, 6.000 por mês. Fora as cadelas e gatas grávidas ou com ninhadas recém- paridas, que são jogadas todos os dias nas ruas, em terrenos baldios, e em áreas pobres da cidade, sem que exista qualquer registro destes números. Existe também o abandono de éguas e cavalos velhos e feridos que não servem mais para os carroceiros. Esses animais, amarrados à beira das estradas, são muitas e muitas vezes atropelados e morrem sem qualquer ajuda. Estatísticas precisas sobre o abandono simplesmente não existem!

Os animais largados nas ruas e/ou cruelmente maltratados pelo homem (muitas vezes por seus próprios “responsáveis”), contam apenas com a sorte de alguém os vir ou ouvir e resolver ajudá-los, resgatando-os e conseguindo lar temporário até serem tratados e doados. Pedidos de ajuda para um cão doente, um gato atropelado, um animal espancado, acorrentado sem comida ou uma cadela com filhotes, chegam diariamente por telefone, internet ou pessoalmente, até que uma pessoa ou grupo voluntário da proteção animal tenha condições de assumir o caso.

Os grupos são compostos de pessoas como você e nós, que têm suas atividades profissionais diárias, suas famílias para cuidar, suas casas, seus afazeres, mas possuem também um enorme coração e uma consciência convicta de suas responsabilidades para com os que não podem se defender sozinhos.


Normalmente esses grupos não dispõem de um local próprio para alojar os animais socorridos, geralmente os abrigam em suas casas, lares temporários, hospedagens ou clínicas. Tudo isso envolve muitas despesas e os grupos não têm condições de assumir todas as solicitações.

Donos de abrigos também temem levar para seus abrigos pobres e superlotados um animal muitas vezes fraco e ferido, onde ele não terá as condições necessárias para se recuperar. Em muitos abrigos faltam alojamentos adequados, medicamentos e muitas vezes até ração. A incidência de óbito dentro dos abrigos carentes é assustadora. Alguns animais não se adaptam e morrem de depressão ou são agredidos e impedidos de comer pelos mais fortes, e outros contraem viroses muitas vezes fatais.

Essa é a triste realidade dos animais renegados pela sociedade e que são abandonados às centenas todos os dias!

Se você puder colaborar com a nossa causa, seja resgatando, hospedando, doando alimento, remédios, cobertores ou oferecendo ajuda financeira de qualquer valor, estará ajudando a salvar muitas vidas!

Entre em contato com os grupos de defesa animal! Conheça seu trabalho e colabore!

Seu envolvimento fará toda a diferença!!

Equipe Ação Animal